Eno Cultura – Cursos em Vinhos, Destilados e Eventos Corporativos no Brasil
Eno Cultura, Cursos de Vinhos no Brasil

Eno Cultura, Cursos de Vinhos no Brasil

Eno Cultura, WSET

Eno Cultura, Eventos corporativos

Eno Cultura, Escola de vinhos / Wine School

Eno Cultura, Consultoria em vinhos em São Paulo

Whats'On

Fique por dentro das novidades que
acontecem no mundo dos vinhos
e destilados!

Legislação sobre os vinhos na Itália

Legislação sobre os vinhos na Itália

25/05/2018

Na Itália, existem dois tipos de DOP. A mais comum é a Denominazione di Origine Controllata (DOC). Em comum com todas as IGs europeias, as regras da DOC não definem apenas o limite geográfico da região, mas também as praticas de viticultura e vinificação, assim como as uvas permitidas. Acima de DOC, temos a Denominazione di Origine Controllata e Garantita (DOCG). Originalmente, o estatuto de DOCG era dado somente às regiões que tinham uma sólida reputação pelos seus vinhos. No entanto, com a melhoria dos padrões de vinificação, um crescente numero de regiões têm sido promovidas ao estatuto de DOCG. Além de cumprirem todos os requisitos de uma DOC, os vinhos com DOCG estão sujeitos a uma degustação por parte do ministério da agricultura.
Na Itália, os vinhos IGP são comumente rotulados com o termo tradicional Indicazione Geografica Tipica (IGT).
Existem outros dois termos de rotulagem importantes que se usam nos vinhos italianos: Classico e Riserva. Com o tempo, o limite de algumas regiões vinícolas na Itália foram expandidos, e o termo Classico é usado para identificar os vinhos provenientes do limite original na região. Esta área frequentemente é origem das melhores uvas e vinhos. Por exemplo, um vinho rotulado como Soave procede das planícies desta DOC, enquanto um Soave Classico procede de vinhas em encostas onde a altitude ajuda a produzir uvas com maior maturação de sabor e com acidez alta.
Para que um vinho possa ser rotulado como Riserva, o vinho deve ter um nível mínimo de álcool superior e ter passado por um período de envelhecimento mais longo do que os mínimos exigidos na região. Por exemplo: o Chianti Classico é envelhecido por um mínimo de 12 meses antes de ser lançado no mercado, enquanto o Chianti Classico Riserva deve ser envelhecido por um mínimo de 24 meses, dos quais 3 meses pelo menos devem ser em garrafa.

Fonte - Eno Cultura