Blog

Fique por dentro das novidades que acontecem no
mundo dos vinhos e destilados!

ESPUMANTES
22 de dezembro de 2017

ESPUMANTES

Conteúdo Técnico

Os vinhos espumantes remetem a celebração… geralmente são consumidos sozinhos, mas também podem desempenhar muito
bem à mesa. Nos espumantes produzidos através do método de tanque (ou Charmat), onde as bolhas são retidas durante a
segunda fermentação em grandes tanques selados, as notas primárias (fruta, flor…) são o grande destaque, gerando um
estilo mais leve e fresco. Estão nesta categoria vinhos como Prosecco (Itália) e a maior parte dos Sekt na Alemanha.

Já os espumantes feitos pelo método tradicional (ou champenoise) têm suas bolhas originadas de uma segunda fermentação feita dentro da garrafa, levando a um contato do vinho com as leveduras mortas (borras) e a um estilo um pouco mais complexo, onde as chamadas notas autolíticas (fermento, pão tostado…) se juntam aos aromas e sabores primários. Neste grupo de espumantes temos o Champagne (França), a Cava (Espanha), o Cap Classique (África do Sul), além de bons exemplos na Nova Zelândia, Austrália, Inglaterra e Brasil. Há também os espumantes feitos pelo método Asti, onde os tanques são selados durante a primeira fermentação, que é interrompida a certa altura, originando um espumante frutado, com açúcar residual e baixo teor de álcool. O Moscato D’Asti (Itália) é o grande referencial para este tipo de espumante, cujo estilo é replicado em todo o mundo, inclusive no Brasil. Um Moscato D’Asti, com seu dulçor e muita fruta presente, é uma ótima opção para acompanhar sobremesas como uma torta de damasco ou uma salada de frutas. Um Champagne, com sua elevada acidez e abrangência de aromas, pode acompanhar desde ostras frescas e caviar até a pratos mais elaborados com frutos do mar e carnes brancas, de acordo com sua complexidade. E um Prosecco pode ser um ótimo acompanhamento para pratos/entradas leves e frescos como saladas, carcioffini e mariscos marinados.

Separamos algumas sugestões para cada um destes estilos de espumantes: Nino Franco Primo, Prosecco Valdobbiadene, Itália 2016 (preço aproximado: R$ 160, Inovini); Larmandier Bernier, Champagne Extra Brut “Longitude” Blanc des Blancs 1er Cru (preço aproximado: R$360, Cellar); Perini Moscatel, Bento Gonçalves, Brasil (preço aproximado: R$ 37, Casa Perini)

+
18 de setembro de 2018

Série: Problemas nas Vinhas [ VÍRUS ]

Os vírus também são muito presentes nos vinhedos mas, como raramente matam as vinhas, há uma menor pressão por pesquisa em torno do assunto. Alguns produtores até enxergam alguns vírus como ferramentas para evitar o superamadurecimento de uvas, e outros vão ao extremo de considerar os vírus – e as características que eles imprimem aos […]

continuar lendo
+
rias baixas enocultura whats on 570x270 - Rías Baixas
23 de novembro de 2017

Rías Baixas

A Denominação de Origem (D.O.) Rías Baixas fica na região da Galícia, no noroeste da Espanha. É uma região de clima fresco, com influência marítima e um nível de chuva/umidade elevado, sobretudo se comparado às condições secas de quase toda a Espanha. A uva dominante por ali é a Albariño (ou Alvarinho, em português), que […]

continuar lendo
Assine nossa newsletter e fique por dentro das nossas novidades

Eno Cultura - Todos os direitos reservados © 2018